"O lar cristão é o lugar onde os filhos recebem o primeiro anúncio da fé. É por isso que a casa de família se chama, com razão, «Igreja doméstica», comunidade de graça e de oração, escola de virtudes humanas e de caridade cristã."(Catecismo da Igreja Católica, 1666)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Celebrando Santo Antão


Santo Antão, também chamado de Santo Antônio, o Grande, e Santo Antão (ou Antônio) do Deserto, ou do Egito, ou o Anacoreta, foi um monge nascido no ano 251, e que viveu de modo eremítico nos desertos egípcios, combatendo espiritualmente o demônio com o fervor de suas orações e o rigor de suas penitências, sem deixar de ser um exímio pregador contra a heresia ariana que então infestava o Oriente. Morreu com 105 anos e fundou um mosteiro em Fauim.

É muito venerado entre os orientais, mas também há seu culto no Ocidente.

Santo Antão, pelo seu nome, é um dos padroeiros da nossa primeira filha, Maria Antônia, junto de Santo Antônio de Pádua e de Lisboa. Há um seu ícone no quartinho dela desde que nasceu.

Sua vida foi narrada pelo grande Padre da Igreja, Campeão da Ortodoxia e flagelo dos arianos, Santo Atanásio de Alexandria, e pode ser lida aqui.

Como hoje é sexta, dia de abstinência de carne, fizemos um churrasco para Santo Antão ontem à noite, como que preparando a festa em vigília.

Preparei chuletas de cordeiro, tiradas do espinhaço de um animal vindo da estância da família da Aline, a Fazenda Santa Teresinha, em Piratini, e as fiz temperadas com sal fino, óleo de soja e chimichurri desidratado em um disco sobre o fogo com lenha. Batatas foram o acompanhamento, também sobre o disco. Carne ovina é sempre um bom símbolo para todos os santos, pelo caráter pascal de sua morte.



 

Santo Antão é frequentemente associado aos animais, com quem convivia no deserto. Por conta disso, é considerado o padroeiro dos criadores de animais domésticos e de estábulos. Leiam mais sobre isso aqui neste texto do Daniel Volpato no outro site do Salvem a Liturgia, do qual sou diretor. 


O texto traz também a bênção dos animais em latim segundo o rito antigo, que reproduzimos abaixo. Por costume devocional, sabendo não ser propriamente liturgia, o pai de família, pode usar a bênção, embora o melhor seja chamar o pároco ou outro sacerdote ou diácono amigo para abençoar os animais da casa:

BENEDICTIO EQUORUM ET ANIMALIUM, IN DIE SANCTI ANTONII ABBATIS, FACIENDA.

V. Adjutorium nostrum in nomine Domini.  R. Qui fecit coelum et terram.
V. Domine, exaudi orationem meam. R. Et clamor meus ad te veniat.
V. Dominus vobiscum. R. Et cum spiritu tuo.

Oremus.
Deus refugium nostrum, et virtus, adesto piis Ecclesiae tuae precibus, auctor ipse pietatis, et praesta; ut quod fideliter petimus, efficaciter consequamur. Per Christum Dominum nostrum. R. Amen.

Oremus.
Omnipotens sempiterne Deus, qui gloriosum beatum Antonium variis tentationibus probatum inter mundi hujus turbines illaesum transire fecisti: concede famulis tuis; ut et praeclaro ipsius proficiamus exemplo, et a praesentis vitae periculis ejus meritis et intercessione liberemur. Per Christum Dominum nostrum. R. Amen

Oremus
Benedictionem tuam, Domine, haec animalia accipiant, qua corpore salventur, et ab omni malo per intercessionem beati Antonii liberentur. Per Christum Dominum nostrum. R. Amen.

---

Não consegui achar o texto da bênção no rito antigo em vernáculo nem no rito novo em latim, mas segue o texto no rito novo em vernáculo:

BÊNÇÃO DOS ANIMAIS (principalmente nas festas de São Francisco de Assis e de Santo Antão)

V. O nosso auxílio está no nome do Senhor. R. Que fez o céu e a terra.

Um dos presentes ou o próprio ministro lê um texto breve da Sagrada Escritura, p. ex.: cf. Salmo 8, 7-9a

"Senhor, destes poder ao homem sobre a obra das vossas mãos. Tudo submetestes a seus pés: ovelhas e bois, todos os rebanhos, as aves do céu e os peixes do mar."

Então o ministro diz, de mãos juntas, a oração de bênção:

Senhor do universo,
que tudo fizestes com admirável sabedoria
e ao homem, criado à vossa imagem e semelhança,
o abençoastes e lhe destes o domínio sobre os animais,
mostrai-nos benignamente o vosso poder
e concedei que estes animais nos sirvam eficazmente
em nossas necessidades,
a fi m de que nós, vossos servos,
ajudados com os auxílios da vida presente,
aspiremos confiadamente aos bens eternos.
Por Nosso Senhor. R. Amém.

Temos em casa alguns animais, como se vê nas fotos. Três gatos e uma cadela ovelheira. Já tivemos outra gata no Itaqui, e ela está em algumas fotos também.





Animais na fazenda em Piratini: 

Até um cordeiro dentro de casa colocamos lá em Piratini: 



Um comentário:

Daniel Pereira Volpato disse...

Muito honrado pela menção, caros amigos.