"O lar cristão é o lugar onde os filhos recebem o primeiro anúncio da fé. É por isso que a casa de família se chama, com razão, «Igreja doméstica», comunidade de graça e de oração, escola de virtudes humanas e de caridade cristã."(Catecismo da Igreja Católica, 1666)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Uma paráfrase sobre o amor à esposa

São Paulo nos fala em 1 Co 13 sobre o amor, sobre a virtude teologal da caridade. Mas quanto nos falta colocar em prática em nossas situações concretas dentro do relacionamento conjugal!


Espero que a paráfrase abaixo ajude...


Ainda que eu falasse todos os idiomas e tivesse grande capacidade de me expressar em público e para todas as pessoas, e fizesse inúmeras obras de apostolado, escrevesse, desse palestras, rodasse o mundo pregando o Evangelho, e defendesse em tudo a Santa Igreja Católica, se não amar minha esposa, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. 



Mesmo que eu rezasse cotididianamente com verdadeira piedade, me mortificasse, frequentasse os sacramentos e, por outro lado, tivesse uma formação intelectual formidável, e conhecesse todos os aspectos de minha carreira, santificando meu trabalho; mesmo que tivesse todo o sucesso profissional do mundo, se não amar minha esposa, não sou nada. 



Ainda que tivesse uma poderosa fé, conhecesse todo o Magistério da Igreja, e também possuísse um invejável patrimônio, muito dinheiro, carros, imóveis, pudesse sustentar minha família com segurança e lhes dar todos os frutos do meu trabalho, com eles auxiliar a Igreja e os pobres, e ainda que me dispusesse às missões mais arriscadas em defesa dos meus valores e da minha casa, se não amar minha esposa, de nada valeria.


O amor pela esposa é paciente, o amor pela esposa é bondoso. Não tem inveja. O amor pela esposa não é orgulhoso. Não é arrogante.



Nem escandaloso. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.


Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.


Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.



O amor pela esposa não deve jamais acabar - pois foi prometido diante do altar de Deus, e ainda que a morte separe o casal, o amor permanece. Os bens materiais desaparecerão, as práticas de piedade e de mortificação cessarão, o trabalho profissional, mesmo para sustentar a família, findará.


Nenhum comentário: